Arquivo da tag: Violeta Parra

Salve 2014!

Primeiros dias chilenos

Cheguei em Santiago na terça-feira, 31 de dezembro. O sol se punha junto ao mar, não visível do avião, mas supondo seu declínio nas sombras da cordilheira. Recepção encantadora de parentes, festa para terminar a noite última do ano velho. No primeiro dia do ano, tempo de preguiça e de programar as primeiras visitas ao centro da cidade. Já nos primeiros passeios notei, pelo assédio dos distribuidores de felipetas das agências de turismo, que as casas-museus de Neruda estão em quase todos os roteiros de Santiago e do litoral mais próximo, Viña del Mar e Valparaíso. Vou marcar próximos encontros com o poeta em seus santuários.

No jornal El Mercurio de hoje, descobri que se programava, para amanhã, 4 de janeiro, um encontro de poetas e múcicos para homenagear Nicanor Parra, decano ainda vivo de quatro gerações de artistas, irmão de Violeta e Roberto Parra, outros dois grandes poetas e músicos chilenos. Mas a Internet, mais rápida que os órgãos impressos, já anunciou o cancelamento do evento, que seria uma espécie de avant-première do VI Encontro Internacional de Poetas e Intelectuais, organizado pelo movimento Chile-Poesia e programado pera setembro de 2014, quando o poeta completará 100 anos.

Nicanor Parra: 10 x 10

Nicanor Parra: 10 x 10

O evento, denominado “Las Cruces de Parra”, teria lugar na praia “Las Cadenas”, no litoral central do Chile, onde o criador da antipoesia e ganhador do Prêmio Cervantes 2011 vive há vários anos, com pouco ou nenhum contato com o exterior e sem aceitar entrevistas, nos últimos tempos.

Nicanor Parra, cuja obra prima “Poemas y Antipoemas” completa em 2014 cinquenta anos de publicação, nasceu a 5 de setembro de 1914 na localidade de San Fabián de Allico, na província de Ñuble, no sul do Chile. A atividade, com entrada livre, contaria com a presença de conhecidos poetas e músicos, segundo anunciou Chile-Poesía em sua página eletrônica.

Entre los poetas figurariam Erick Pohlhammer, Lila Díaz Calderón, Lorena Tiraferri Arce, José María Memet, Carmen Berenguer, Julio Carrasco, Ana María Falconí, Germán Lamoza, Mario Barahona, Guillermo Bown, Jean Jacques Pierre-Paul e Amador Ruiz. Da área musical, se anunciavam María Colores, Sol y Lluvia, Iván Torres & Zapatillas Social Blues, Mauricio Redolés & Los Descuentos, Catalina Rojas & Los Parecidos, Jorge Jiménez & La Rompehuesos, Claudio Narea & Los Indicados, além de bandas e solistas daquela região.

O encontro, segundo Chile-Poesia, pretendia ampliar o reconhecimento a uma das figuras mais destacadas da história literária e cultural do Chile, que mudou a poesia de língua castelhana, também ganhador dos prêmios Juan Rulfo, em 1991, Rainha Sofia (2001) e o Prêmio Ibero-americano de Poesia Pablo Neruda (2012).

Próximo a completar cem anos, o autor de “Hojas de Parra”, “Poemas para combatir la Calvicie” e “Sermones y Prédicas del Cristo de Elqui”, entre outras obras, “está lúcido, em pé, com boa saúde e criando”, afirmo Chile-Poesia. Até setembro, os festejos em honra ao também criador dos “artefatos”, explosivos poemas breves (“Cuba sí, yanquis también” ou “La Izquierda y la Derecha unidas, jamás serán vencidas”), se manifestarão em muitas outras atividades orientadas a homenageá-lo, potencializar a Poesia, reunir grandes figuras da lírica mundial com poetas chilenos e intervir nos espaços públicos.

Inicio a homenagem do Banco da Poesia aos poetas chilenos com dois poemas de Nicanor e um de Violeta, este já com vistas a enfrentar o ano político do Brasil, quando deverão ser repetidos os insípidos discursos dos candidatos.

Último Brindis

Lo queramos o no
sólo tenemos tres alternativas:
el ayer, el presente y el mañana.

Y ni siquiera tres
porque como dice el filósofo
el ayer es ayer
nos pertenece sólo en el recuerdo:
a la rosa que ya se deshojó
no se le puede sacar otro pétalo.

Las cartas por jugar
son solamente dos:
el presente y el día de mañana.

Y ni siquiera dos
porque es un hecho bien establecido
que el presente no existe
sino en la medida en que se hace pasado
y ya pasó…
como la juventud.

En resumidas cuentas
sólo nos va quedando el mañana:
yo levanto mi copa
por ese día que no llega nunca
pero que es lo único
de lo que realmente disponemos.

Nicanor_último_brinde

Último Brinde

Queiramos ou não
somente temos três alternativas:
o ontem, o presente e o amanhã.

E nem sequer três
porque, como diz o filósofo,
o ontem é ontem
nos pertence somente na recordação:
da rosa que já se despetalou
não se pode tirar outra pétala.

As cartas de jogar
são somente duas:
o presente e o dia de amanhã.

E nem sequer duas
porque é um fato bem estabelecido
que o presente não existe
senão na medida em que se faz passado
e já passou…
como a juventude.

Em resumidas contas
só nos vai estando o amanhã:
eu levanto meu copo
por esse día que não chega nunca
porém é o único
de que realmente dispomos.

Test

Qué es un antipoeta:
un comerciante en urnas y ataúdes?
un sacerdote que no cree en nada?
un general que duda de sí mismo?
un vagabundo que se ríe de todo
hasta de la vejez y de la muerte?
un interlocutor de mal carácter?
un bailarín al borde del abismo?
un narciso que ama a todo el mundo?
un bromista sangriento
deliberadamente miserable?
un poeta que duerme en una silla?
un alquimista de los tiempos modernos?
un revolucionario de bolsillo?
un pequeño burgués?
un charlatán?

un dios?

un inocente?

un aldeano de Santiago de Chile?
Subraye la frase que considere correcta.

Qué es la antipoesía:
un temporal en una taza de té?
una mancha de nieve en una roca?
un azafate lleno de excrementos humanos
como lo cree el padre Salvatierra?
un espejo que dice la verdad?
un bofetón al rostro
del Presidente de la Sociedad de Escritores?
(Dios lo tenga en su santo reino)
una advertencia a los poetas jóvenes?
un ataúd a chorro?
un ataúd a fuerza centrífuga?
un ataúd a gas de parafina?
una capilla ardiente sin difunto?

Marque con una cruz
la definición que considere correcta.

Nicanor_Test

Teste

Que é um antipoeta:
um comerciante de urnas e ataúdes?
um sacerdote que não crê em nada?
um general que duvida de si mesmo?
um vagabundo que ri de tudo
até da velhice e da morte?
um interlocutor de mau caráter?
um bailarino à borda do abismo?
um narciso que ama a todo mundo?
um piadista sangrento
deliberadamente miserável?
um poeta que dorme em uma cadeira?
um alquimista dos tempos modernos?
um revolucionário de bolso?
um pequeno burguês?
um charlatão?

um deus?

um inocente?

um aldeão de Santiago do Chile?
Sublinhe a frase que considere correta.

_______________________________

MIREN

 Violeta Parra

Miren cómo sonríen
los presidentes
cuando le hacen promesas
al inocente.

Miren cómo le ofrecen
al Sindicato
este mundo y el otro
los candidatos.

Miren cómo redoblan
los juramentos,
pero después del voto
doble tormento.

Miren el hervidero
de vigilante
«para rodar de flores
al estudiante».

Miren cómo relumbran
carabineros
«para hacerle premios
a los obreros».

Miren cómo se visten
cabo y sargento
para teñir de rojo
los pavimentos.

Miren cómo profanan
las sacristías
con pieles y sombreros
de hipocresía.

Miren cómo blanquean
mes de Maria
y aL pobre negreguean
la luz del día.

Miren cómo le muestran
una escopeta
para quitarle al pobre
su marraqueta.

Miren cómo se empolvan
los funcionarios
para contar las hojas
del calendario.

Miren cómo sonríen,
angelicales,
miren como se olvidan
que son mortales.

bolsas polí
VEJAM

Vejam como sorriem
os presidentes
ao fazer promessas
aos inocentes.

Vejam como oferecem
ao Sindicato
este mundo e o outro
os candidatos.

Vejam como redobram
os juramentos,
mas depois do voto
duplo tormento.

Vejam o formigueiro
de vigilantes
«para rodear de flores
os estudantes».

Vejam como deslumbram
os mercenários
«para entregar prêmios
aos operários».

Vejam como se vestem
cabo e sargento
para tingir de rubro
os pavimentos.

Vejam como profanam
as sacristias
com peles e chapéus
de hipocrisia.

Vejam como branqueiam
mês de Maria
e ao pobre negaceiam
a luz do dia.

Vejam como lhe mostram
uma espingarda
para tirar do pobre
sua fornada.

Vejam como se maquiam
os funcionários
para contar as folhas
do calendário.

Vejam como sorriem,
angelicais,
vejam como se esquecem
que são mortais.

***

Mercedes Sosa: adiós a la vida

Mercedes_Sosa

O site de Mercedes Sosa (http://www.mercedessosa.com.ar/), na Argentina, amanheceu com a seguinte notícia:

“Nesta data, na cidade de Buenos Aires, Argentina, temos que informar-lhes que a senhora Mercedes Sosa, a maior artista da música popular latino americana, nos deixou.
Haydé Mercedes Sosa nasceu no dia 9 de julho de 1935 na cidaden Miguel de Tucumán. Com 74 anos de idade e uma trajetória artística de 60 anos, ela transitou por diversos países do mundo, compartilhou cenários com inumeráveis e prestigiados artistas e  deixou, além disso, um enorme legado de gravações fonográficas.
Sua voz levou sempre uma profunda mensagem de compromisso social por meio da música de raiz folclórica, sem prejuízo de somar outras vertentes e expressões de qualidade musical.
Seu talento indiscutível, sua honestidade e suas profundas convicções deixam uma enorme herança para as gerações futuras. Admirada e respeitada em todo o mundo, Mercedes se constitui como um símbolo de nosso acervo cultural que nos representará por sempre e para sempre.
Talvez as palavras de sua grande amiga Teresa Parodi resumam o sentimento de muitos:

…Mercedes, salmo nos lábios

amorosa mãe amada

mulher da América ferida

tua canção nos põe asas e faz que a pátria toda

miudinha e desolada não morra todavia,

não morra porque sempre cantarás em nossas almas…

Seus restos serão velados no Salão dos Passos Perdidos, no Honorável Congresso da Nação, Avenida Rivadávia, 1864, a partir do meio dia de hoje. Sua familia, parentes e amigos agradecem profundamente o acompanhamento e o apoio expressado nestes dias.”

Mercedes com artistas brasileiros: Milton Nascimento, Chico Buarque, Caetano Veloso e Gal Costa

Mercedes com artistas brasileiros: Milton Nascimento, Chico Buarque, Caetano Veloso e Gal Costa

Mercedes Sosa se tornou amiga de medalhões da MPB

O auge da popularidade de Mercedes Sosa no Brasil foi nas décadas de 1970 e 1980, quando se tornou amiga de medalhões da MPB, que chamaram a atenção para a sua importância e para a beleza contundente de seu canto. Amiga de Milton Nascimento, Caetano Veloso, Fagner, Chico Buarque, Vinicius de Moraes, Elis Regina e Beth Carvalho, Mercedes fez duetos em shows e gravações com vários deles. Numa de suas últimas vindas a São Paulo, em 2007, dividiu o palco com Maria Rita. Registrou em discos também canções de Vitor Ramil, Djavan, Marcos Valle e Kleiton Ramil.

Milton é o brasileiro mais presente no repertório da cantora, que também fez duetos históricos com ele em Volver a los 17 (Violeta Parra) e Sueño con Serpientes (do cubano Silvio Rodriguez). Em 1985, os dois dividiram o palco com o argentino León Gieco num grande show em Buenos Aires, que virou disco: Corazón Americano. Procurado pelo jornal O Estado de S. Paulo, Milton, segundo sua empresária, não quis dar declarações por estar muito abalado com a morte da amiga.

Outros encontros marcantes de Mercedes com brasileiros foram com Beth Carvalho, em Solo le Pido a Diós (León Gieco) e com Fagner em Años (Pablo Milanés). Um compacto com O Cio da Terra (Chico Buarque/Milton Nascimento) e San Vicente (Milton/Fernando Brant) é outro registro que merece destaque.

“Éramos bastante amigas desde que vi um show dela no Scala, no Rio. Depois convidei-a para gravar em 1986. Foi uma gravação muito feliz, muito bonita”, lembra Beth Carvalho. Depois ela me convidou para fazer um espetáculo no Luna Park, em Buenos Aires, chamado Sin Fronteras, em 1988. Ela estabeleceu que era uma reunião das rainhas de cada lugar. Do Brasil fui eu, do México tinha Amparo Ochoa, da Venezuela foi uma outra. Foi muito lindo, eu encerrava o show com ela”, lembra Beth.

Em 1980, Mercedes gravou o álbum Ao Vivo no Brasil e em 1982 teve um outro disco montado só para o mercado brasileiro, Gente Humilde, puxado pela faixa-título de Chico Buarque, Vinicius de Moraes e Garoto. O álbum também incluía Viola Enluarada (Marcos/Paulo Sérgio Valle) e o dueto com Fagner em Años. Em 1986. ela fez uma participação no programa Chico & Caetano, da Rede Globo, cantando Volver a los 17, com os anfitriões mais Milton Nascimento e Gal Costa. O encontro saiu em CD numa coletânea brasileira.

Recentemente, Vitor Ramil, de quem Mercedes gravou Semeadura, a tinha convidado para participar de seu novo álbum, mas ela já estava doente. O produtor Ricardo Frugoli tinha um projeto de gravar um novo álbum de Mercedes no Brasil ainda este ano. “Seriam 14 canções, sete com cantores brasileiros consagrados e sete canções com cantores brasileiros de várias gerações com enorme talento e menor visibilidade”, conta Frugoli.

Mercedes também estaria no projeto que Beth Carvalho vem alimentando há anos, que se chama Beth Carvalho Canta as Músicas Revolucionárias Latino-Americanas. “Ela topou na hora quando falei desse projeto. Iria cantar com ela, com Silvio Rodríguez, cada um representante de cada lugar desse tipo de música, revolucionária, que acho linda. Queria fazer uma coisa grandiosa, gravar em Cuba. Mas eu vou fazer, pena que não vou ter mais a Mercedes.” (A.E.)

Mercedes canta Gracias a la Vida, de Violeta Parra,