Arquivo da tag: Rui Moio

Onde está Rui Moio? Em Terras do Fim do Mundo

Na Internet fazemos amigos a cada momento. Uns apenas de relacionamento fugaz, outros com laços seguros, como se os conhecêssemos fisicamente. Outros há que são apresentados por amigos virtuais e chegam com bagagem de parente, sem maiores formalidades. Assim veio Rui Moio, apresentado por Vera Lúcia Carmona. Natural de Angola, que ele define como “Terras do Fim do Mundo, onde a África é mais África”.

Diz também que, “aos 25 anos,  rumou numa ponte aérea  para a ex-metrópole portuguesa  e, desde então, vive refugiado em Lisboa. Identifica-se como lusófono. Com uns 12 a 13 anos, nas namoros de adolescente, ensaiou as primeiras quadras… ingénuas e de rima forçada… Voltou a poetar entre os 20 e 22 anos. Depois parou, para retornar a estas coisas há uns anos. Hoje tem uns 200 poemas e meia dúzia deles foram publicados no blog Sentires Sentidos – Poemas da minha preferência “. Ele também edita um blog de reflexões denominado Alma Viva, além de Antologias e Quadros Estatísticos.

O presente post demorou a sair. Primeiro, uma troca de correspondência para extrairmos um mínimo de dados biográficos do poeta angolano. Depois a demora no envio de tímidas fotos, que talvez acusassem o espírito de recolhimento do confesso refugiado. Mas agora, já na qualidade de correntista do Banco da Poesia, que ele pretigiou com citações em seu blog. já desde o ano passado, esperamos que sua presença seja contínua, para o prazer dos nossos leiotres.

No poema abaixo, um autodefinição. Sobre estes versos, falou Vera Lúcia:

Um poema que deixa transparecer o quanto o seu coração continua impregnado desse amor pátrio que não enfraquece nem com o passar dos tempos, nem com barreiras.
Admiro esse patriotismo, tão raro nos dias que correm. E, pelos vistos, ao raiar do dia, a inspiração chega-lhe mais forte do que nunca. E as recordações nostálgicas de Angola, contribuiram para que este poema lindo saísse como saíu.

Rui Moio


De braço ao alto, quebrado
Como num salve
Do Império antigo e longínquo
De que somos a argamassa.
Moio, Moio yobé
Foi emoção forte
Que ficou de Cangamba
E por nome,
O nome que o pai deu
Lá na Missão do fim do Mundo
Gigantesca de obra
No Império novo de que somos parte.
De uma união mista
De História, de grandeza, de heroicidade
De sacrifício nunca cobrado
De décadas e de séculos de comunhão
Foi parido no chão quente
Um escrevinhador que se alimenta de emoção.
Mentalmente elaborado na cama, na casa da Quinta Nova, na manhã de 31Ago2009.
Recolhido pelo Banco da Poesia em Sentires Sentidos

Vila Arriaga

Paredão a pique que quase toca o céu
Medonho, assustador
Os meninos e os adultos
vivem temerosos
Das zangas do paredão

A qualquer momento
Podem chover sobre a vila
Toneladas de pedras
Toda a montanha

Quando chove
A mulola ruge
Como um trovão em contínuo
Ela leva as águas envenenadas
Na guerra dos mucubais

Vila de duas ruas,
Estação do caminho de ferro
Com hotel sem hóspedes
E pensão para gente de passagem

Tem laranjeiras grandes a meio da avenida
Escola primária com nome de escritora
Que no puto dá prémio de literatura

Quinta do administrador
Com árvores grandes e antigas
E tanque para a criançada malandra se banhar

Tem colina com miradouro
Com barulhentos lagartos de duas cores
Onde só os meninos lá chegam
Por falta de caminho bom

No sopé da colina, em casa pequenina
Habita o velho primo
Colono antigo de Vila Arriaga

Aos fins de tarde
Lá vai ele, pé ante pé
Juntar-se à cavaqueira
Com o Rocha Pinto e o Duarte

O Lauro, comerciante antigo
É o mais querido de todos
Vende fuba, peixe seco, remédios…
E um pouco de tudo o resto

Tem hospital grande
Casa do médico e do enfermeiro
E até uma ambulância desconcertada
Uma vermelha Harley com side car

Vila de gente festeira
Com muita rapariga casadoira
Tem recinto para festas
Com tecto de buganvílias em flor
Lá dentro há churrasco, rifas,
pista de dança animada com a manivela
de um velho gromofone

Ao lado do pau-bandeira
E diante da administração
É ver uma molemba grande
Que atapeta de vermelho todo o chão

Passou por lá um administrador
Fausto Ramos de seu nome
É dele a traça do clube
do parque infantil com piscina
E é dele a obra da horta e do tanque para a regar

Rui Moio – 18 de outubro de 2004

________

Ilustrações: C. de A.

_______________________

Gente de Cangamba

A igreja de Cangamba foi inaugurada em 1964 ou 1965. Levantou-se rapidamente, ao lado da avenida antiga de eucaliptos. Veio a guerra russo-cubana e a destruição da airosa vila, mas… a semente da religião ficou com os sobreviventes. Eis aqui um hino ao Senhor à maneira tão bela dos coros gentílicos dos kalutchazes. E a procissão percorre a linda e histórica avenida de eucaliptos…
Rui Moio

E vamos por aí

Poesia e Internet. Uma linguagem e um instrumento de comunicação. Talvez os poetas mais antigos, em suas solidões nos autoconfessionários da alma, nunca imaginaram que, um dia, estariam tão próximos de seus leitores. Sem preconceitos e sem barreiras geográficas. O Banco da Poesia registra depoimentos de pessoas simples, a manifestar seu gosto pela poesia. E, nesta interação instantânea, nosso blog, assim como milhões de sites publicados na rede, percorre os caminhos das estrelas e atinge habitantes de qualquer parte do planeta sensíveis ao mundo da poesia.

Começamos, em nossos primeiros dias, a travar contato com o poeta espanhol Francisco Cenamor, que edita o blog Asamblea de Palabras. Ele já é nosso correntista e registrou por lá a entrada do Banco da Poesia na rede. Depois publicamos poemas de Vera Lucia Kalahari, que vive em Angola e percorre as sendas da África ainda misteriosa e sofrida. Imediatamente ela nos chama de amigo e se corresponde conosco como se fôssemos vizinhos de janela. Mas outro português, lá na cabeça da Europa, lê seus poemas e os republica em seu blog. E nos manda um simpático recado:

Olá, Cleto de Assis
Parabéns pelo seu bonito e útil blogue.Tomei a liberdade de republicar um poema da Vera Lúcia  publicado no seu blogue.

Rui Moio.” http://sentirsentidos.blogspot.com/2009/08/viagem.html

Nosso mais recente amigo de infância foi mais longe: reproduziu o texto publicado no Banco da Poesia no Google Reader, ampliando ainda mais a leitura do que publicamos. E nos abre um relicário de belos poemas de vasto panorama da lusofonia.

Também já não quer dizer nada imaginar que o Timor Leste está lá do outro lado da Terra. Logo após à publicação de cinco poemas de poetas timorenses, obtivemos respostas amoráveis, a primeira já consignada no post específico, que nos recomenda outros poetas timorenses: “Este Banco de Poesia (está de parabéns pela iniciativa e assim é mais um a divulgar Timor Leste) que não esqueça esses que sentem Timor de uma forma tão sensível. Sem egoísmos,  publiquem os seus trabalhos, porque eles são arte genuína de Timor do Sol Nascente”, nos diz J. Rodrigues Sarmento, lá do outro lado da Terra, editor do blog Aqui é Timor-Leste.

E também de imediato nos vem a notícia de que o Banco da Poesia foi recomendado ao leitores do blog Uma Lulik , também do Timor Leste, como “um blog em destaque – Visite o blogue Banco da Poesia e leia poesias de Crisódio T. Araújo, Fernando Sylvan, Jorge Barros Duarte, Jorge Lauten e Ruy Cinatti ilustradas com belas imagens representativas”.

Já o responsável pelo site social Portugalmaresias, João Raimundo Goçalves, de Costa de Caparica, Portugal, nos dá conta que criou “um espaço de amizade onde se cruzam a poesia e a prosa, os cheiros e os sabores da Lusofonia”. E nos convida a participar (convite aceito!) do seu recanto eletrônico.

E por aí vamos. A encurtar os mares e aproximar as terras à vista. A criar amizades e fortalecer solidariedades. Graças à poesia. (C. de A.)