Arquivo da tag: Rosirene Gemael

Adeus a Rosirene Gemael

Há alguns dias, entrei no Facebook e vi um nome conhecido na lista de sugestões de amigos: Rosirene Gemael, jornalista, a quem eu não via desde 1988, quando trabalhamos juntos na campanha de seu tio Airton Cordeiro , então candidato a prefeito de Curitiba.  Mandei solicitações de amizade a ela e ao Kiko, seu irmão, sem saber que ela estava hospitalizada. Do Kiko recebi resposta, mas não dela. Hoje chegou uma mensagem de sua página, com pequeno  poema-despedida e  a triste surpresa de seu falecimento.

Gravo aqui uma homenagem a ela, profissional respeitadíssima por sua inteligência, competência e sensibilidade. Vai sua foto, com o poemeto que alguém postou em seu nome. Que pena, Rosirene, por não conseguirmos nos rever. Certamente perdi bons papos com você sobre a Curitiba que você amou e  sobre a qual tanto pesquisou e escreveu, sempre preocupada com a nossa cultura.

Transcrevo, abaixo,  a nota de adeus publicada no blog do Zé Beto, também publicada no blog do Solda, que fez sua homenagem gráfica à amiga.

Rosirene Gemael, adeus

26 out 2011 – 12:15

Ela voou para longe hoje cedo. Não sei por quê, mas sempre que encontrava com esta menina, me vinha a nítida impressão de que era um passarinho em forma de gente. Daqueles que não fazem alarde, que observam a paisagem com olha doce e quando piam, o som é mavioso e reconfortante. Não fui amigo dela, e sim de seu irmão, Kico, que é o oposto, locomotiva em constante movimento, criando estradas, abrindo atalhos. Sabia que Rosirene era tão criativa quanto, mas do seu jeitinho. Sabia que o texto desta jornalista que completaria 61 anos de vida era tão primoroso quanto a imagem que me passava. Nunca trocamos muitas palavras nestes anos todos que nos conhecemos, mas eu a admirava também por não ser como ela. “Ela estava sofrendo muito”, me disse o Kiko há pouco, de São Paulo, pouco antes de embarcar para Curitiba. Sim, eu sabia que ela estava doente há um bom tempo, mas quando a encontrei recentemente, ela que morava na rua de cima aqui no bairro Seminário, recebi um sorriso tão cativante, assim como aquele olhar de quem compreende o lado azul e o lado negro desta vida, mesmo porque tudo é incompreensível. Marco, o filho dela, estava ao seu lado neste último encontro. Parece um pássaro também. É o legado da minha amiga que voou hoje. Zé Beto