Arquivo da tag: Bar do Mato

A noite dividida

Na última sexta-feira (15.05.09), Manoel de Andrade e eu fizemos uma balada cultural (não sei se existe, mas deveria) já nos primeiros tremores de Curitiba. O frio está vindo de mansinho, pedindo pousada na terra dos pinheiros que, por sua vez, começam a debulhar os gostosos pinhões.

Bendito AssaltoTínhamos que atender a dois convites, em horários semelhantes. O primeiro começou cedo, mas calculamos que, mais boêmio, poderia se prolongar ad infinitum. O segundo, marcado para as 19 horas, além de estar no roteiro geográfico, pressupunha longas filas: era o lançamento do livro de Domingos PellegriniBendito Assalto. Optamos, portanto, em comparecer inicialmente no simpático Quintana’s Bar, ali na avenida do Batel. Já encontramos uma pequena multidão de amigos e admiradores do escritor londrinense, que lá estava, sentado em ampla mesa, a distribuir autógrafos com auroras cordiais.

Para mim, foram várias festas. Reencontrei Domingos (não me me sinto à vontade ao chamá-lo pelo nome de cartório), reencontrei Dinho, após alguns anos. Sem a barba com que foi anunciado dias atrás, neste blog, parecia ter rejuvenescido. Entrei na fila para abraçá-lo e o reencontro foi mais que o ato social. Entramos em breves recordações de Londrina, com relatórios relâmpagos sobre o tema – o que você está fazendo? E conheci Dalva, a simpática esposa, sempre atenta aos convidados da noite.

Levei também, autografado para minha neta, a publicação infantil de Dinho, O Livro das Perguntinhas, que Mariah, com seus sete aninhos, leu, de uma sentada, no dia seguinte.
LançaLivDinho2
Como não poderíamos deixar os demais convidados à espera, alternamos vários momentos, até o final, no qual recordamos a grata aventura do Novo Jornal, um semanário que fez história na imprensa de Londrina e do qual Dinho foi o primeiro redator-chefe. Lembramos que fomos ele e eu os principais responsáveis pelo nascimento do jornal, após uma visita que ele fez à gráfica onde eu era sócio. Em pouco tempo o projeto gráfico estava pronto e Dinho, moço com ânimo aventureiro, se despedia da mesa que ocupava na Folha de Londrina para dirigir a pequena troupe de jornalistas iniciantes, alguns ainda alunos do curso de Comunicação Social da UEL. Mas essa história será contada brevemente, em uma edição rememorativa que planejamos editar, com o imediato apoio de Nilson Monteiro, um daqueles focas (hoje um excelente jornalista) que puseram fermento saudável na idéia do Novo Jornal, também reencontrado na noite de autógrafos.

Entre os muitos amigos, vi novamente Tereza e Claret de Rezende, com quem compartilhamos uma mesa e um papo dos bons. Ambos já  estão há muitos anos em Curitiba, mas Londrina foi tema recorrente, pois foi lá que nossa amizade nasceu, Claret na Folha e Tereza na universidade.
ManecoDinho1
Manoel de Andrade (outro amigo com diminutivo fraterno) e Domingos Pellegrini também renovaram a amizade recente, mas já solidificada pela literatura. Com oportunidade de trocar figurinhas, como mostra a foto: Maneco levou seu Poemas para a Liberdade para Dinho e recebeu o Bendito Assalto – seria uma espécie de divisão da partilha?…

Demoramos mais que o imaginado, mas foi muito bom compartilhar do sucesso da sessão de autógrafos e de lá sair munido de novos projetos, sobre os quais mais tarde falarei.

E fomos, Maneco e eu, para o Alto da Glória. Para quem não conhece Curitiba, esclareço que não se trata de nenhuma ambição  artística. Trata-se de um bairro da capital do Paraná, bastante tradicional e que já foi morada das famílias que dominaram a economia da erva mate, do final do Século XIX a meados do século XX. Lá se localiza, na reverente Travessa Luthero, o pouco reverente Bar do Mato, um ambiente simples e acolhedor. Encontramos os integrantes da reunião lítero-musical já em adiantada animação, com Marilda Confortin, Daniel Farias e seus inseparáveis violão e boa música, e novos amigos, como Narciso Pires e sua esposa Valquíria. Peço perdão por não guardar o nome de todos, mas destaco os que me premiaram com publicações suas: Raul Pough e Wilson Miran Lopes de Carvalho. Ambos também partícipes da tertúlia, o primeiro dizendo o poema Dote, já depositado no Banco, logo abaixo. O segundo, com sua alma de troubadour nordestino, também pegou na viola e mostrou suas habilidades poético-musicais. Daqui a pouco mostrarei seus trabalhos. E cada um de nós teve oportunidade de cantar poemas, seus ou emprestados.

Enfim, uma noite para guardar no lado agradável da memória. (C. de A.)

Marilda Confortin convida

Nesta sexta-feira, 15 de maio de 2009 depois das 19 horas,esqueça a casa e o trabalho e venha dar o seu grito de liberdade no Bar Do Mato.      http://www.domato.com.br/
Entre músicos, poetas, contadores de histórias e causos, estaremos celebrando (bebericando) nossa Lei Áurea Inconfidente: Prazer, Poesia e Liberdade.
Em anexo, estamos enviando  o convite, endereço e a bandeira de nossa causa mui justa.
Sua presença será comemorada com um Grito.
Pre-requisito: Cantar nosso samba- manifesto, etnicamente correto: o Samba do Afrodescendente Doido.
CONVITE DO MATO jpg
Samba do Afrodescendente doido

(Samba do Crioulo Doido)

Stanislaw Ponte Preta (Sérgio Porto)

Imperatriz Leopoldina - 01Foi em Diamantina
Onde nasceu JK
Que a Princesa Leopoldina
Arresolveu se casá
Mas Chica da Silva
Tinha outros pretendentes
E obrigou a princesa
A se casar com Tiradentes

Lá iá lá iá lá ia
O bode que deu vou te contar
Lá iá lá iá lá iá
O bode que deu vou te contar

Joaquim José
Que também é
Da Silva Xavier
Queria ser dono do mundo
E se elegeu Pedro II
Das estradas de Minas
Seguiu pra São Paulo
E falou com Anchieta
O vigário dos índios
Aliou-se a Dom Pedro
E acabou com a falseta

Da união deles dois
Ficou resolvida a questão
E foi proclamada a escravidão
E foi proclamada a escravidão
Assim se conta essa história
Que é dos dois a maior glória
Da. Leopoldina virou trem
E D. Pedro é uma estação também

O, ô , ô, ô, ô, ô
O trem tá atrasado ou já passou

Marilda Confortin

http://iscapoetica.blogspot.com/

__________________

Ilustração: Imperatriz Leopoldina Teresa Francisca Carolina Miguela Gabriela Rafaela Gonzaga de Bragança e Bourbon. Aquela que virou trem
(C. de A.)